terça-feira, abril 03, 2012

Para ti

Hoje lembrei-me muito de ti. Desde aquela fotografia na escola primária, com uma folha de desenhos à frente, um grande sorriso e o casaco de malha feito pela mãe.
E ainda aquelas fotos  mais antigas: um menino com uma espécie de bibe acinzentado (as roupas que a mãe inventava para aproveitar todos os tecidos que lhe iam parar às mãos!), cabelos encaracolados, sentado ao lado do Juca, o cão mais antigo de que me lembro lá por casa. Essa fotografia estava tão gira! No quintal da avó, em plena primavera, a avaliar pelas muitas flores campestres que se viam à tua volta. E lembras-te daquela tirada pelo meu padrinho Amílcar, ao colo do pai, com uma outra camisola de malha made by mummy, mas essa gira, em tons de verde. Tu de dedinho apontado sabe-se lá para onde.
Depois, já um rapazinho maior, tímido, mas que se libertava em casa, muito ao contrário de mim que sempre me senti melhor fora de portas.
Às vezes, quando me via aborrecida, a mãe dizia "vai lá dar um giro!", e eu voltava sempre mais contente.
Enquanto rapazinho, suponho que a tua vida tenha sido feliz apenas por aquela capacidade que na infância temos de imaginar, criar, crivar as coisas, reter apenas as boas.
Trabalhava-se lá em casa, quando se vinha da escola íamos para o campo, ajudar no que houvesse para fazer. Nem tanto eu, que por ser menina estava destinada às tarefas caseiras - pobres tarefas caseiras! - Era uma família tradicional, a nossa, de há muitas tradições atrás do tempo real que vivíamos, e por isso é que a minha educação ficava a cargo da mãe, e a vossa  a cargo do pai. Sei muito bem que ganhei com isso. O pai tinha pouco ou nada de suavidade e compreensão no que aos filhos dizia respeito. Também eu me sentia profundamente oprimida por isso, mas foi diferente.
Sempre senti, contudo, que havia uma contrapartida: nascera menina, e as mulheres valiam menos. Como eu uma vez disse à mãe - Qualquer coisa entre animal de estimação e homem. - Mas os animais de estimação eram muito pouco estimados.
Cresceste um rapaz tímido mas sempre inteligente, e quando desabrochaste tornaste-te qualquer coisa de deslumbrante! Os irmãos têm fases, mas a nossa relação estava na melhor de todas as fases quando te perdemos. Eras o melhor de todos nós, eu acho. E o mais feliz, também. Havia em ti uma tranquilidade tal que me sabia bem estar simplesmente sentada ao teu lado, em silêncio.
Fazias parvoíces sem fim: ias de carro de marcha atrás para lhe tirar km; fazias o pino em cima de uma almofada da sala, interrompendo o estudo, dizias tu que para o sangue afluir ao cérebro e as ideias te surgirem mais facilmente; inventavas viagens de carro, eu no lugar do passageiro, quando na realidade íamos a pé para o café - afasta-te da janela; olha o ramo!; trava, não vês a bicicleta!
Eras um espectáculo! E é assim que quero recordar-te. Foi um enorme privilégio teres estado na nossa vida, teres sido meu irmão!

14 comentários:

Luz de Estrelas disse...

Lindo, lindo, LINDO texto. Tu és especial, Dulce. Pelo que leio, o teu mano também.

Anna^ disse...

Tu és de facto especial, como diz a Luz de Estrelas.E é um privilégio ter-te como amiga! :)

Dulce disse...

O privilégio é todo meu, minhas queridas duas maravilhosas amigas! Duas amigas que a net me trouxe, que Deus me ofereceu!

mfc disse...

Um texto de uma ternura imensa que gostei imenso de ler... e de o sentir!
Um texto vindo muito de dentro...!
Toma um grande abraço... muito e muito apertado!

Dulce disse...

Outro grande abraço para si, mfc!

Ana Jeremias disse...

Adorei ler... lembro-me da altura em que o teu mano se foi e como tu ficaste, sei que foi mesmo muito duro, mas graças a Deus e ao tempo as coisas amenizam um bocado, embora não passem de todo. Um grande beijo, és muito especial!:)

Dulce disse...

Tu também és, Ana! Nunca me esqueci de ti durante todos estes anos. Eras uma menina doce e linda. Agora és uma mulher lindíssima e igualmente doce.

Linita Batista disse...

Ao ler o teu texto, veio-me à lembrança aquele fado da Mariza (já bastante conhecido e cantado) que diz mais ou menos isto: "As coisas vulgares que há na vida não deixam saudade, só as lembranças que dóiem ou fazem sorrir"...aplica-se aqui. São lembranças destas que nos animam, que nos impulsionam, e é tão bom, embora a separação, relembrar momentos lindos e tão bem relatados aqui por ti. Leu-se e estivemos lá contigo, por isso, foi muito bem escrito. Parabens

deep disse...

Dulce, o texto é, sem dúvida, muito bonito e cheio de ternura.

Um abraço aqui do Norte. :)

Dulce disse...

Um abraço aí para o Norte, Deep!

Obrigada, Linita!

Liliana disse...

A última que me lembro... "Olha vens vestido com o fato de macaco que és!!!" E a agilidade dele a trepar a cerejeira??? Que saudades do meu querido e saudoso primo...

Dulce disse...

Lol, dessa não me lembro, Lili! (O meu irmão era a agilidade em pessoa...)

Vera, a Loira disse...

Oh... muito bonito. gostei muito.

Só sedas disse...

Que bonito... deixou-me triste mas foi lindo!