quarta-feira, agosto 22, 2012

Dezoito anos sem ti. E a certeza de que nunca te esqueceremos. Talvez nem depois da nossa morte.

domingo, agosto 19, 2012

O escaranovo

O escaravelho nasceu, olhou-se no espelho dos olhos da sua mãe e perguntou:
- Quem sou eu, mamã?
- Quem és, na tua essência, descobrirás mais tarde. Por agora basta-te saber que és um escaravelho.
O escaravelho, que sabia por instinto as palavras todas e o seu significado, achou aquilo muito injusto. Acabara de nascer e já se chamava velho? Escara velho?
- Não, mãe, desculpa lá, eu vou ser um escaranovo. Aliás, só o corpo escarenvelhece. No fundo de mim vou ser sempre um escaranovo.

- Ok, fica combinado. Assim respondeu a mãe que, cheia de dores do pós-parto, se achava  com pouca paciência para filosofias baratas. Baratas não, escaravelhas.

terça-feira, agosto 14, 2012

Perplexidades

Sempre fiquei confusa quando as pessoas simplesmente desaparecem da minha vida, dum momento para o outro, sem que eu me lembre de lhes ter feito mal algum, e sem explicação alguma. Alguma razão terão... Mas não me parece que seja a forma mais correcta de proceder.