terça-feira, janeiro 31, 2006

Huuummm!!


Eu e a minha gata temos práticas alimentares diferentes. Mas ela de vez em quando bem gosta de TENTAR meter o nariz onde não é chamada, que é como quem diz, no meu prato.
Para lhe ensinar que "uma coisa é uma coisa e uma outra coisa é uma outra coisa", e também para saber se ela tem alguma razão de queixa (ração de queixa), hoje provei a ração dela.
Huuummm... não é má.
Mas prefiro a minha :)

Interrogações

Tenho-o aqui à minha frente: é um papelinho autocolante que me "venderam" ali na rua por um euro. Diz assim:
LUTA CONTRA SIDA
Amistad
5 anos
Nós preocupamo-nos
e etc, sendo que et cetera são os números de telefone e nib da organização.
Nada tendo contra esta ou outras instituições, interrogo-me às vezes sobre a atitude certa a tomar quando me abordam na rua...
Porque, porque e porque... coisas muitas vezes ditas, e que toda a gente pode imaginar.
Sei que o meu dever é repartir o que tenho.
Só não sei qual é a melhor forma.

segunda-feira, janeiro 30, 2006

Água de Madeiros - S. Pedro de Moel


Só para mostrar um dos meus cantinhos, um dos sítios onde gosto de aportar.

domingo, janeiro 29, 2006

Ainda deu tempo...

...nestas mini-férias, para um dos melhores filmes que já vi: "Charlie e a fábrica de chocolate".
Um filme visto numa manhã fria, estendida no sofá da casa dos meus primos, enroladinha em mantas e mantéus, um filme que me deixou de coração quentinho.

Os grupos sanguíneos

Falámos muito sobre grupos sanguíneos, nestas minhas férias, a propósito duma dieta que me proponho fazer. E acerca disso a minha prima Z. contou-me uma história deliciosa que se passou com conhecidos dela:
Dois garotos irmãos estavam a guerrear por um qualquer assunto de irmãos meninos.
Diz-lhes o pai:
- É uma vergonha! Dois irmãos a baterem um no outro. Irmãos. Filhos dos mesmos pais. Com o mesmo sangue!
- Não, não! Eu sou A, e o mano é B!

Mais fotos destes dias...






Nas primeiras fotos trata-se da nossa imaginação delirante a inventar maternidades de antas e cromeleques bébés. Também nos detivemos a pensar por que razão se dizia "És estúpido como uma anta". Não achámos particularmente estúpidas as antas que visitámos. Quanto ao "estúpido como uma porta", percebo perfeitamente que uma porta é estúpida quando se deixa bater...

Vagamundagem: coisas que vi e ouvi - IV

Moi même, no Cromeleque dos Almendres

No dia 26, eu e a minha prima acordámos ao meio dia (tínhamos ficado na conversa pela noite dentro, como nos velhos tempos...). Fomos almoçar com as minhas outras primas (mais "trabalhadeiras") ao Évora Hotel. Huummmm! que bem que eu comi!... À tarde, como não havia projectos, fomos visitar as pedras. Os cromeleques, os menires, as antas.
Uma tarde bem passada, cheia de brincadeira, campo e liberdade. E um solzinho fixe que fez o favor de iluminar e aquecer o nosso dia. Até conversámos com as ovelhas. Berrámos-lhes:
"Ooooolhaááá foto de famíííília! Mééé!" Na verdade não sei se não nos compreenderam ou se não se julgaram fotogénicas, mas afastaram-se a correr nas suas quatro patas cada uma...

Vagamundagem: coisas que vi e ouvi - III


16h e 15 minutos - quase a chegar a Évora
Olha as ovelhinhas!
Vi tantas!! E também vi vacas refasteladas a dormir nos campos verdinhos, e porcos (brancos e pretos) a correr (Mas de bicicleta não, não vi!)... Até vi uma Avó Struz! Mas estava com má cara, e eu também não podia parar o carro, e não a fotografei. Imponentes, as avestruzes!
E andam os moralistas por aí a chamar-lhes cobardes porque enterram a cabeça na areia... Cada um faça da sua cabeça o que quiser. Viva a Avó Struz!

Vagamundagem: coisas que vi e ouvi - II


14 horas, 45 minutos
Nova paragem, curta, só porque me lembrei de fotografar "as árvores de calções", como lhes chamava uma criança que há muito deixou de ser criança.
Havia de ver muitas mais.
O Alentejo é a terra das árvores de calções.

Vagamundagem: coisas que vi e ouvi - I


25 de Janeiro.
14 horas e 30 minutos.
Paragem no caminho para desentorpecer as pernas e comer bolachas, a fazer de conta que era almoço.
Que livre que me sinto assim, feliz, sozinha, a caminho de outras paragens, viajando...
Se não fosse cá por coisas eu gostava de ser camionista.
Lembram-se da canção?:
"Sou camionista,
sou o maior!
Tenho a minha auto-pista
onde sou rei e sou cantor..."
Às vezes canto isto, nas minhas poucas viagens e imagino que é mesmo verdade...
A paragem que a imagem mostra é depois de Almeirim, em direcção a Coruche.

Julie com saudades da sua humana


Coitadinha da minha gata! Quando cheguei ontem à noite da minha vagamundagem por terras alentejanas, estava triste e ressentida. Só hoje comeu bem, depois dos miminhos a que teve direito.
Desculpa, Julie!
Prometo que nunca mais te deixo 4 dias sozinha, ainda que com comida e água e as comodidades que julguei que te bastassem. Afinal, faltava eu...

De regresso


Andei por estas paragens, feliz e contente, e estou de regresso.
Contente e feliz também por regressar.

quarta-feira, janeiro 25, 2006

Vou passear


Amanhã cedo cedo (assim a preguiça não se oponha) raspo-me daqui por uns dias. Poucos. Vou ver os campos, os Alentejos, os amigos. Moi et ma voiture...

terça-feira, janeiro 24, 2006

O melhor do mundo são os meus sobrinhos!


Os meus garotos crescem de dia para dia. Adoro-os!!!

Os meus garotos têm entre um e seis anos. São os olhos da minha luz (Sei que isto assim não tem lógica nenhuma, mas não me apetece repetir o que toda a gente diz, "a luz dos meus olhos".
O Diogo, um rapazinho independente e lindo, com seis anos, estava este domingo sentado no sofá, vestido de homem aranha, a ver um filme qualquer. - Não interrompam o rapaz quando ele está a ver televisão! - Deu-me um beijo quando cheguei, mas tia carente precisava de mais mimo.
- Julgava eu que tu gostavas de mim!
- E gosto.
- Estás só a olhar para a televisão... :(
- Eu nunca vi este filme e a ti já te vi muitas vezes.

(Uma lógica irrefutável, não?)

domingo, janeiro 22, 2006

Meu irmão


Aqui onde o tempo se conta, hoje farias anos.
Só quero dizer que te amo, nunca deixarei de te amar.

Não morreste.

sábado, janeiro 21, 2006

A casa do silêncio


Já há muito tempo que não passo por aqui. Era no verão, no tempo dos dias longos, no tempo em que o tempo tem paciência para anoitecer devagarinho...
Numa casinha por detrás destes muros morava ou mora uma senhora surda-muda. Falávamos uma com a outra quando eu por ali passava, nas minhas caminhadas a pé (que boa ideia seria retomá-las!)... Não nos compreendíamos senão no silêncio e no sorriso, mas sempre me senti feliz por passar po ali, sempre fiquei contente com essa espécie de comunicação que me ultrapassava. Já mal recordo o rosto dessa senhora, mas os raios do seu sorriso são ondas de calor que ainda me acalentam.

Doces memórias de mar



















Do lento caminhar, dos pés enterrados na areia...

Das ondas
da espuma
dos gritos das gaivotas na manhã ainda adormecida...

Daquele marulhar que me embala
e me pacifica,
como um mantra.

O mar é a minha casa líquida.
(Um blog tem coisas fantásticas! Apetecer-me escrever "O mar é a minha casa líquida" e escrevê-lo, e deixar ficar, na bordinha até do meu próprio prato... lol)

sexta-feira, janeiro 20, 2006

Julie




A minha amiga Marrrrria :) chama-lhe Rnhónhó. Mas o nome dela é Julie. Quando a trouxe do jardim da Celeste (para quem é essa rosa, giroflé giroflá, para quem é essa rosa, giroflé flé flá) vinha entre entusiasmada e arrependida. Porque eu nunca tinha tido gato nenhum e não sabia se nos iríamos dar bem.
Chegou assustadiça. Muito. Passou montes de tempo escondida debaixo dos móveis da cozinha, e eu, é claro, não cabia lá... ;)
Aos poucos foi percebendo que eu era a única companhia que havia por cá, e foi-se aproximando. Conquistou-me.
Tantas parvoíces fazemos juntas, e tantas "maldades" uma à outra, que eu nem sei qual de nós precisa de mais paciência, qual de nós é mais compreensiva com a outra. Mas já não me imagino sem ela. E só passaram 3 meses e meio desde que chegou.
(Neste momento está ali a resmungar, que é a forma de me dizer que se sente preterida pelo computador)

quinta-feira, janeiro 19, 2006

Eu mesma...


E disse o meu sobrinho:
"Olha, o Shrek 3 usa óculos!"

Raminho verde



Era (não sei se é ainda) um pinheiro pequenino que crescia num vaso na minha varanda, à espera da altura de ser replantado em espaço mais amplo, onde pudesse livremente estender para o céu os seus braços vegetais.
Hoje é tarde. Amanhã verei como está, se ainda está, se o abandono o não fez esmorecer.
Ó meu pinheirinho, metáfora de nós, TU RESISTE!!!
(mil perdões...)

L'important c'est la rose


E quantas vezes perco tempo com coisas desimportantes, sentimentos de cinza que vêm do nada e se vão por coisa nenhuma.

...
Quero ser grande e aprender a relativizar... de preferência antes de "ingressar" no lar de terceira idade.

quarta-feira, janeiro 18, 2006

Bom dia!


Desejo um bom dia a quem por aqui passar.
E a quem não passar por aqui... um bom dia desejo.

Vou tratar de tornar bom o MEU dia...


Beijinhos, abraços, palhaços!

terça-feira, janeiro 17, 2006


Não te enredes

Não te enredes nas silvas.
Não esqueças o sol e o suave murmúrio do mar.
Não esqueças o amor que te alimenta.
Não ignores as silvas, também não.

Deixa que o vento te inunde.
O vento varre a poeira e as folhas secas
e o sol volta sempre...
Recomeça
se puderes
sem angústia e sem pressa.
E os passos que deres
nesse caminho duro
do futuro,
dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade
Miguel Torga