quinta-feira, junho 16, 2011

Nós e os outros.

Ontem à noite estava no carro a conversar com uma amiga quando uma mulher de meia idade se abeira de nós e nos pede "uma moeda para comer uma sopa". Estava tudo fechado excepto um restaurante chinês ali perto, que de resto já estava a fechar. Eu tinha mesmo pouco dinheiro, considerando que hoje tinha uma conta para pagar. Que se lixe, pensei. A mulher parecia um animal acossado, com fome e com medo. Não parecia uma sem-abrigo, não estava suja, não cheirava a álcool. Estava magra, esfomeada, desconfiada. Agarrou-se à sopa e à tigela de arroz e desapareceu à velocidade da luz para ir comê-las num canto qualquer, suponho. Gostava de ter sabido por onde ela anda para poder dar-lhe pelo menos algo para comer todos os dias, mas ela lançou-me uns olhos imensamente assustados e disse que não precisava de nada.
O Banco Alimentar Contra a Fome chega a estas pessoas? Suponho que nem sempre. Que eu seja então uma sucursal. Que Deus me dê olhos para ver, mãos para dar e um coração disponível.

5 comentários:

Vilma disse...

Isso é amor em acção, Dulce!
"Sempre que o fizestes a um destes pequeninos, é a mim que fizeram." disse Jesus! :)

Deus te abençoe amiga!

andarilho disse...

Papoila, podes sinalizar essa Pessoa e a sua situação humana na Paróquia mais próxima... não sei se existe lá Vicentinos ou outro grupo de apoio, mas pelo menos podem ajudar a encontrar alguma porta...

Quanto ao medo... nem quero imaginar o drama que vive esse coração... resta-me pedir a Deus que te dê luz para lhe indicares um caminho.... sei que tens um coração de anjo, não precisamos de Arcanjos por aí, precisamos é de mãos e rostos como o teu Papoila... para ajudar.. para amparar... para acolher a dor e a solidão...

Beijos na tua alma...

Vida de Praia disse...

Já deu ;-)

Anna^ disse...

Ainda dizem que não existem anjos!
Estou emocionada,sabes? e apetecia-me encher-te de beijinhos.
Um grande BEM-HAJA para ti minha doce Dulce.

Da França disse...

Dulce,gostei do que li.
Só levamos desta vida o bem ou o mal que fizemos.
Peço a Deus que me de sempre um coração aberto aos outros.
Beijinhos Dulce.