domingo, abril 09, 2006

Minhoquices, mimos e comichões linguísticas

Tenho uma amiga que não se perde em coisas desimportantes, raramente se zanga, não esquece o invencível verão.
O invencível verão, ensinou-me ela, está dentro de nós, resiste aos invernos mais rigorosos e às piores trovoadas.
Dizia-me ela hoje que, por lhe terem ensinado desde menina que tinha uma missão a cumprir, não havia tempo a perder com minhoquices de sensibilidades excessivas e mimos. Não sei se as palavras terão sido rigorosamente estas... E então eu, que sou mimosa, fiquei a pensar se seria justo nascer para uma missão e não ter tempo a perder com mimos. Velha e ineficaz pergunta, mas afinal quem lhes deu o direito de me contratarem para a missão. A troco de quê? Talvez a minha educação também tenha sido para isso, mas comigo não resultou.
E, com um sorriso nos lábios, lembro-me de tantas e tantas vezes em que me mandavam despachar, andar depressa, mexer-me, e eu dentro de mim me rebelava e me perguntava porque havia eu de andar depressa. E ia devagarinho, muiiito devaaaagar... porque afinal a pressa era dos outros. Hoje reconheço que teria sido melhor, também para mim teria sido melhor, pensar menos, resistir menos, contrariar menos, agir mais e mais depressa.
Mas o espírito de contradição e o descontentamento faziam parte do pacote que me incluia e que entregaram à minha mãe naquele longínquo 8 de Março.
Uma grande amiga minha, daquelas que me conhecem do direito e do avesso e gostam de mim de qualquer forma, diz que eu tenho comichões linguísticas: que há certas palavras que não se podem usar comigo, que me bloqueiam o raciocínio, que me fazem ficar amarrada ao espíritozinho de contradição que me habita.

Um bocadinho mais de equilíbrio não me faria mal, não senhor!

Perdoe-se-me a divagação. Se isto for completamente incompreensível, assim sou eu também. Até mesmo às vezes para mim própria. Faz parte do pacote.

9 comentários:

tikka masala disse...

O meu pacote chegou lentamente. Muuuuuuito lentamente! Ou então foi a minha mãe que se enganou nas contas. No entanto, eu sou um desses espíritos apressados que atribui missões a si próprio. E a vida não fica mais fácil nem mais agradável por isso! Assim, fico contente que sejas desapressada e mimosa. De certeza que vou aprender muito contigo!

Dulce disse...

Tikka: aprenderemos uma com a outra. Um beijinho carinhoso, e, hoje, cansadinho e ensonado...

Teresa Frazão disse...

Que bom ter lido o seu comentário no meu blog!
Agora vem aí uma manhã com aquelas tarefas quotidianas que ... não dão muita serenidade para escrever.
Logo, OK?
Mas quero dizer um grande bem-haja.
E vou fazer as tais tarefas já mimada com a cumplicidade do seu comentário.

ANA GRALHEIRO disse...

A nossa missão é ser FELIZ!
Para isso não são precisas grandes coisas... basta fazer umas loucuras de vez em quando, rir, ter amigos para conversar e acima de tudo viver um dia de cada vez, como se fosse o último!
Ter saúde e algum dinheiro no bolso também ajuda muito... claro!
Mas, também não ser demasiado exigente com a vida... é mto importante! Dar valor às coisas simples, não embarcar em consumismos supérfulos, e ter fé também é bom!
BJ
ANA

Margarida Atheling disse...

Fui ensinada, também desde que nasci, como essa tua amiga. No entanto, pelo caminho e sempre que posso, faço desvios de mimos e sentimentalismos, de lágrimas fáceis e sorrisos muito sentidos. Não perco de vista esse tal caminho que, é o meu, mas acho que não há mal em sermos "mimosas" de sentimentos. Pelo menos eu sou assim!

Beijinhos!

Juda disse...

Agora venho sempre a este blog, eu sou dos que apoiam os da terra...
Vila Cã tem um simbolismo especial na minha vida, gosto de trabalhar nesta terra em Agosto e Outubro, fique bem...

Dulce disse...

O que faz em Vila-Cã em Agosto e em Outubro, Juda? Mande-me um mail, por favor, que a curiosidade matou o gato, e eu tenho uma gata em casa e não queria nada que ela morresse... :)

Anónimo disse...

Hey what a great site keep up the work its excellent.
»

Nina disse...

COMO CABALHEIRO DA LUZ,A MINHA ARMADURA SEMPRE ESTA BRILHANTE MESMO NOS DIAS DE INTENSA CHUVA ELA DEIXA DE BRILHAR,NEM NOS DIAS DE NEVOA OU ESCURIDADE NA DOCE NOITE QUE ACOLHE AOS SERES VIVOS E ATE MESMO OS NAO VIVOS.
COMO É POSSIVEL ISSO?
TODOS NOS SOMOS CABALHEIROS DE LUZ Y É ATRAVES DE NOSSOS SONHOS DESEJOS ALEGRIAS E NETAS DE VIDA E FANTASIAS AS QUE FAZEM QUE TENHAMOS UMA ARMADURA ASSIM...
SE NAO ACREDITAS,PERGUNTATE A TI MESMO,¿PORKE RAZAO CUANDO A GENTE SE DECEPCIONA OU ESTA TRISTE VOLTA A SORRIR?
É A NOSSA ARMADURA FORTIFICANDO-SE MAIS E BRILHANDO MAIS QUE NUNCA DESDE O NOSSO INTERIOS....

!!!! CAROL!!!