sexta-feira, dezembro 15, 2006

NIM

Concordo com os argumentos dos que defendem a despenalização do aborto, e concordo com os argumentos dos que defendem o contrário.
Se eu levar uma folha A4 ou mais com a minha opinião, para as urnas, no dia do referendo, e colocar uma cruz no sim e outra no não, serve?

3 comentários:

deprofundis disse...

Eu não vou votar. Porque a penalização/despenalização é um falso problema. A lei da despenalização destina-se apenas a permitir que oportunistas (de preferência espanhóis)façam fortuna fácil com uma das grandes desgraças da humanidade.
O que está verdadeiramente em causa é combater o flagelo do aborto e não castigar ou não as vítimas de um sistema iníquo que só condena mulheres e, dentre estas, as pobres.
Urge identificar as causas de tal prática e actuar em duas vertentes. Na primeira, esclarecer e educar, de modo a evitar a gravidez indesejada ou irresponsável; na segunda, criar condições para que todas as futuras mães em dificuldades possam levar até ao fim a sua gravidez. Sem condenações, sem juízos de valor.
O que é preciso é, ao aparecer uma mulher que veja o aborto como a única solução ao seu dispor, esclarecê-la, acarinhá-la e ajudá-la materialmente para que não tenha que optar por uma solução tão drástica e penalizante (para ela).

Dulce disse...

Eu concordo inteiramente com tudo isso que disse. Só não sei se não votar ajuda...

deprofundis disse...

Ajuda quem? Os donos das "clínicas" de aborto?
A despenalização, na prática, já está a funcionar. Os julgamentos há muito que não passam de uma farsa. E ainda bem.
O que parece estar em causa é legalizar quem ganha rios de dinheiro com o aborto que, obviamente, vai começar a pagar impostos...
Está a topar?
E eu estou-me nas tintas para essa gente.