domingo, agosto 06, 2006

Noite bonita,



véspera de folga. Sento-me na cadeira nova, de lona vermelha, que disputo com as gatas. Relaxo. Olho pela janela e vejo uma lua em quarto crescente, quase cheia, alegre. Pela primeira vez consegui ver na lua o homem da forquilha e das silvas, o tal que se diz que lá ficou para exemplo da humanidade. Um teimoso que decidiu trabalhar ao Domingo, limpar a terra das silvas. Domingo, o dia santificado, o dia de descanso. Lá ficou perpetuado na lua, para seu castigo e exemplo nosso. Dizem os antigos. Hoje vi o homem, que nunca tinha conseguido enxergar. Talvez as silvas e a forquilha sejam o Mar da Tranquilidade, penso. Ai o que eu gosto desse mar que nunca pisei!

[PDF] Observação da Lua
Formato do ficheiro: PDF/Adobe Acrobat -
Ver em HTML35- Mar da Tranquilidade, com 421 000 km2, onde. pela primeira. vez, um astronauta pisou a Lua. 44- Circo ou grande cratera (118 km) acidentada nos bordos e ...www.cienciaviva.pt/veraocv/astronomia/astro2002/materiais/observ_lua.pdf -

Eu quero ir à lua, quero ir! Vestir um fato de astronauta, sentir-me esvoaçante e leve, com os meus setenta e tal quilos! Mas quero ir pelos meus próprios meios, a pé, por uma tranquila escadinha que hão-de construir, que eu não confio nessa coisa das naves!
Isto se antes o castigo divino não me pespegar a mim na lua, eu a atender clientes, para exemplo dos vindouros, porque eu trabalho ao Domingo. Mas não neste Domingo! Estou de folga! :)

Sem comentários: